Aprendendo a Seduzir - Patricia Cabot

Patricia Cabot
 Essa doce história tem a marca de Patricia Cabot bastante acentuada, lindamente ela esbanja na sensualidade, leveza e obviamente sem deixar o humor. O mistério sempre acontece e no decorrer das entrelinhas você se pega dizendo aquela frase: Há... Então foi por isso? 
Claro que não é a melhor obra dela, mas para os fãs desse gênero vale a pena essa leitura. 

Veja Resenha
Aprendendo a Seduzir
Título Original: Aprendendo a Seduzir 
Autor: Patricia Cabot 
Ano: 2015
Editora: Essência
Páginas: 368
Categoria: Romance





SINOPSEDurante um baile, Lady Caroline Linford abre a porta de um dos cômodos e flagra seu noivo, o marquês de Winchilsea, nos braços de outra mulher. Para a sociedade vitoriana do século XIX, tais escapulidas masculinas eram normais, e cancelar o casamento seria impensável. O jeito, decide a jovem, é aprender a ser, ao mesmo tempo, a esposa e a amante, para que o marquês nunca mais tenha de procurar outra mulher fora do lar. Por isso, resolve tomar lições – teóricas, claro – sobre a arte do amor com o melhor dos professores: Braden Granville, o mais notório libertino de Londres. Logo nas primeiras aulas começam a voar faíscas, e as barreiras entre professor e aluna caem. Escrito por Meg Cabot, sob seu pseudônimo, esse romance vai mostrar que o amor escolhe seus próprios caminhos, sempre imprevisíveis.
Resenhando
De longe, romance de época é a minha grande paixão, agora somando isso à escrita de Patricia Cabot, o que temos é uma deliciosa mistura.
Resenhando: Caroline é uma jovem obediente, que ama a família e está disposta a se sacrificar por ela. Diferente dos outros romances, a jovem apesar de ser da nobreza está decidia a se casar com Hurts Slater (um marquesinho de meia pataca mulherengo, que não tem onde cair morto), isso por que ele salvou o irmão dela... melhor dizendo... Ok, vou me segurar e não dar spoyler!
Caroline é tão decida que, após ver o seu noivo a traindo, tem a brilhante idéia de procurar alguém capacitado para lhe ensinar a arte da sedução. Coincidentemente, a jovem com quem ela viu seu noivo, não é nada menos que a noiva de Braden Grandville (fabricante de armas, conhecido como Lothario de Londres ou Don Juan).
Como o destino não dorme em serviço, Caroline descobre que Braden precisa de alguém para testemunhar a seu favor, somente assim ele poderá desmarcar o noivado que tem lhe trazido muitos desgostos (e ocasionalmente alguns chifres).
A jovem vê nisso uma grande oportunidade, ela está disposta a testemunhar com duas condições: o nome do homem não será revelado e Braden precisará lhe ensinar a seduzir o noivo.
“Bem, na verdade, Mr. Grandville, o que eu preciso é... o que eu preciso é que você me ensine como fazer amor.” (Caroline)
Ele se nega. As coisas novamente complicam e descomplicam quando ele pessoalmente lhe afirma que reconsiderou a proposta.
Equipada de caderneta e lápis, ela segue para primeira aula, depois de muitos percalços e inseguranças e pronta para tomar nota de cada palavra. Nem preciso dizer que há certas lições que devem ser praticadas.
 Obs: Do texto a seguir, eliminamos a narrativa, todas as conversas estão entre as páginas 118 até a 122.
“E quantas lições precisamente... você acha que irá adquirir, Lady Caroline, em troca do seu testemunho?”“Por que você simplesmente não começa, e nós vamos por aí.”“Porque este não é o tipo de coisa que eu posso dizer. Eu tenho que te mostrar. É o único jeito... de você aprender."
Depois do beijo:
“Agora,” Braden Grandville disse, procurando o caderno e o lápis dela e esticando-os de volta para ela, “anote isto. Você tem certeza que se lembra de tudo? Se você quiser, eu posso fazer de novo.”
Nem preciso dizer que a pobre saí da sala com as pernas bambas. Eu li esse livro por indicação de uma amiga; nas palavras dela, essa tinha sido a melhor cena de beijo já lida. Eu posso agora concordar. QUE BEIJO... Que romance mais fofo! Fique simplesmente encantada com cada acontecimento. O romance é doce e as cenas picantes são dosadas, nada agressivo ou apelativo. Digamos que na dose certa.
A narrativa é em terceira pessoa, e achei muito interessante quando a escritora, em certos momentos, alterna focando alguns sentimentos pessoais de outros personagens; assim, podemos conhecer e sentir todos eles, tendo uma visão mais ampla de toda a história.
Infelizmente, a versão que baixei está repleta de erros grotescos, e em muitos pontos isso simplesmente detona com a leitura, mas sei que o físico não tem esse problema. Preciso mencionar também que ficar ciente dessa dificuldade na leitura ajudou-me muito, pois estando disposto a viver uma boa aventura é só relevar e seguir em frente. Te garanto que depois do 4º capítulo se torna mais fácil a compreensão.
● Essa doce história tem a marca de Patricia Cabot bastante acentuada, lindamente ela esbanja na sensualidade, leveza e obviamente sem deixar o humor. O mistério sempre acontece e no decorrer das entrelinhas você se pega dizendo aquela frase: Há... Então foi por isso? 
Claro que não é a melhor obra dela, mas para os fãs desse gênero vale a pena essa leitura.
 
Se recomendo? No físico, óbvio que sim, agora na versão PDF precisa estar disposto a querer viver esse romance e deixar de lado os probleminhas com diagramação, escrita, aspas em excesso, enfim.   O que posso garantir é que, para mim, valeu sim muito a pena. (Foto tirada com o livro físico da minha amiga que indicou, porém não me emprestou para fazer a leitura L)
E para você, teve algum livro com uma cena  especial que te marcou?


Nenhum comentário