Inferno - Dan Brown

Leitura romance Cafe
Inferno
Dan Brown é um dos autores de livros de suspense mais popular da atualidade. Seus livros O símbolo perdido, O código Da Vinci, Anjos e demônios, Fortaleza digital e Ponto de impacto já venderam 160 milhões de exemplares no mundo.


Título Original: Inferno
Autor: Dan Brown
Ano: 2016
Editora: Editora Arqueiro
Páginas: 448
Categoria: Ficção Cientifica

Leitura Romance Cafe
Inferno
Sinopse:No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante, centrado em uma das obra literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri. Numa corrida contra o tempo, Langdon luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo o sombrio poema de Dante, Langdon mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído. Dan Brown é um dos autores de livros de suspense mais popular da atualidade. Seus livros O símbolo perdido, O código Da Vinci, Anjos e demônios, Fortaleza digital e Ponto de impacto já venderam 160 milhões de exemplares no mundo. Dan é casado com a pintora e historiadora da arte Blythe, que colabora nas pesquisas de seus livros. Ele mora na Nova Inglaterra, nos Estados Unidos.Dan Brown é o autor de suspense mais popular da atualidade, com mais de 200 milhões de livros vendidos. Seu megaseller O Código Da Vinci já ultrapassou a marca de 80 milhões de exemplares em todo o mundo. Ele também escreveu Inferno, O Símbolo Perdido, Anjos e Demônios, Fortaleza Digital e Ponto de Impacto. Dan é casado com a pintora e historiadora da arte Blythe, que colabora nas pesquisas de seus livros. Ele mora na Nova Inglaterra, nos Estados Unidos.




          Resenhando | Inferno


   Num dia comum, inesperadamente, Robert Langdon, da Universidade de Harvard, desperta em um hospital com um ferimento à bala na cabeça. Ainda confuso, o professor faz outra descoberta assustadora, o hospital em que está fica na Itália.
Enquanto ele ainda recolhe as poucas informações com os médicos Sienna Brooks e Marconi, entra em cena Vayentha, uma assassina que só não consegue pegá-lo graças a Sienna.

        A médica super dotada, ainda assustada, se esconde com ele em seu apartamento. Robert então encontra em sua roupa um cilindro com o símbolo biológico. Sua única saída é ligar para o consulado à procura de ajuda, mas o que ele descobre com isso é que o próprio governo estadunidense quer vê-lo morto.

        Numa tentativa de encontrar pistas, Robert arrisca sua vida e abre o cilindro; para seu espanto, dentro ele encontra alguns objetos, e um em especial, o mapa do Inferno de Sandro Botticelli com informações curiosas.

       Andando pela bela Itália, precisamente na cidade Florença, eles descobrem que todos estão atrás deles com um único objetivo: matá-los (vamos concordar, quando Brown decide lançar um livro, ele faz com excelência).

       As pistas a cada instante se tornam mais confusas e também assustadoras; Sienna, que agora também é procurada, não vê outra saída que não ir até o fundo desta história.
O livro segue por um caminho que você às vezes se vê indignado, não quero e não posso dar spoyler, mas essa história é tão confusa (no bom sentido) que fica até difícil de resenhar. São tantas pessoas e todas importantes para o enredo impecável com uma narrativa frenética e eletrizante.

        Com uma arte singular, Dan Brown não deixa as pistas vazarem antes da hora, tudo é lançado no tempo certo. Um quebra cabeça que apenas o simbologista Robert Langdon poderia desvendar. Esse é o quarto livro do autor e nele você encontrará suas marcas. Se você Leu Anjos e DemôniosO Código da Vinci ou O Símbolo Perdido e gostou, lhe asseguro que essa obra segue à risca a mão de seu criador, que cuidadosamente destaca artes, monumentos e fatos históricos. O ambiente, facilmente conseguimos descrever.

        O que pode pegar no livro, afirmo que não me incomodou tanto. O autor mantém o seu ritmo com algumas descrições extensas demais (um detalhe que pode, às vezes, quebrar o ritmo da sua leitura). Também posso destacar as cenas que se repetem, e por último, a roteirização das cenas, que já é uma marca de seus livros.

Nenhum comentário