A Revolução dos Bichos - George Orwell

leitura romance café
Este é um livro mais que aclamado pela crítica do mundo todo. Considerado até mesmo pelo jornal americano Time um dos melhores romances ingleses. O que vemos nessa leitura é uma metáfora muito bem construída, que narra a traição soviética. O autor conseguiu demonstrar como os princípios iniciais se perderam ao longo da Revolução. 


leitura romance café
Título Original: Animal Farm  A Revolução dos Bichos
Autor: George Orwell 
Editora: Companhia das Letras
Ano: 1945
Gênero: Fabula




Sinopse:
Verdadeiro clássico moderno, concebido por um dos mais influentes escritores do século XX, A revolução dos bichos é uma fábula sobre o poder. Narra a insurreição dos animais de uma granja contra seus donos. Progressivamente, porém, a revolução degenera numa tirania ainda mais opressiva que a dos humanos.Escrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stálin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos - expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História - mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram A revolução dos bichos a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto. Depois das profundas transformações políticas que mudaram a fisionomia do planeta nas últimas décadas, a pequena obra-prima de Orwell pode ser vista sem o viés ideológico reducionista. Mais de sessenta anos depois de escrita, ela mantém o viço e o brilho de uma alegoria perene sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão dos grandes projetos de revolução política. É irônico que o escritor, para fazer esse retrato cruel da humanidade, tenha recorrido aos animais como personagens. De certo modo, a inteligência política que humaniza seus bichos é a mesma que animaliza os homens. Escrito com perfeito domínio da narrativa, atenção às minúcias e extraordinária capacidade de criação de personagens e situações, A revolução dos bichos combina de maneira feliz duas ricas tradições literárias: a das fábulas morais, que remontam a Esopo, e a da sátira política.


Resenhando | A revolução dos bichos

A revolução dos bichos acontece numa granja, e Sr. Jones é o fazendeiro, conhecido pelos animais como cruel e avarento. É ele que inicialmente trata dos animais. Acontece que todos permanecem insatisfeitos, então passam a ser direcionados pelo Porco Major, que após um sonho compartilha seus ideais aos companheiros.
Os animais acreditam que seu grande inimigo é aquele que anda sobre duas patas. Como os porcos se acham os mais inteligentes, passam a comandar a granja.
Antes de conseguir implementar seus sonhos, Major morre, mas seus ensinamentos perpetuam entre eles, o animismo: não existe um animal melhor que o outro, todos são iguais. Isso era o que ele queria, e querer não é tudo.
Um dentre os porcos, conhecido como Bola de neve (muito inteligente e da elite), decide construir um moinho. Napoleão vai contra a ideia. Os animais optam por uma eleição e a maioria ganha, só que Napoleão não aceita e consegue elaborar um plano para expulsar o Bola de Neve da granja.
Napoleão, muito autoritário e egoísta, passa a liderar, o problema é que ele é um ditador, e sob a proteção de cães sua vontade passa a ser uma ordem.
e horas a fio com uma ração controlada e escassa. São obrigados a construir o moinho e, para dificultar, alguns materiais para essa construção não podem ser fabricados na granja.

É aqui que entra o sr. Whymper, o advogado de Napoleão, que começa a fazer a negociata com os humanos. Os porcos se mudam para um lugar reservado aos mais inteligentes, enquanto todos os animais à noite são vigiados pelo Garganta, servo leal de Napoleão que o idolatra como um mestre e conhecido por ter uma ótima oratória e manejar as massas.
Depois de uma tempestade, o moinho acaba vindo ao chão e acreditem, a culpa recai sobre o Bola de Neve (tem base?). A ração diminui ainda mais, enquanto os humanos acreditam que tudo está bem.
É sorrateiramente que a partir desses muitos episódios que se concretiza a República dos Bichos.
Com o tempo, alguns animais se questionam: afinal, na época do Sr. Jones eles não sofriam tanto?! Assim que o Napoleão percebe esses questionamentos, acusa tais animais de serem cúmplices do Bola de Neve, ou seja, eram todos traidores e por isso tinham que morrer (e morreram).
A granja é invadida e o moinho novamente é destruído; os animais, conscientes de que isso iria trazer ainda mais escassez, se unem e expulsam os homens que foram ali para destruir o moinho.

Sanção é um cavalo muito trabalhador, leal e querido, mas o pobre acaba ficando doente e é avisado de que irão leva-lo para um outro lugar, assim poderão cuidar melhor de sua saúde. Os animais entram e desesperam quando percebem que na verdade é um caminhão do abatedouro que veio recolhê-lo.
O tempo corre, os animais velhos morrem, os novos não conhecem outro sistema, então o que você tem é uma nova geração formada a partir de uma única liderança e por nunca terem vivido algo de melhor acreditam que o que eles têm já é o suficiente.
No final do livro, os porcos aparecem andando com duas patas. Distantes do que no princípio haviam aprendido: “quatro patas é bom, duas patas é ruim”. Os porcos agora escancaradamente se unem aos humanos. E todos apenas aceitam.
Este é um livro mais que aclamado pela crítica do mundo todo. Considerado até mesmo pelo jornal americano Time um dos melhores romances ingleses. O que vemos nessa leitura é uma metáfora muito bem construída, que narra a traição soviética. O autor conseguiu demonstrar como os princípios iniciais se perderam ao longo da Revolução.
Nesta leitura, você irá perceber o quanto o egoísmo e o autoritarismo  do homem pode ser prejudicial à raça humana. A corrupção é outro ponto político muito bem abordado. Vale ressaltar que os personagens têm algumas características históricas e isso, na minha opinião, se destacou.
Para quem não conhece, Karl Max inspirou o Major, e o Napoleão foi inspirado em Stalin (homem corrupto)
Apesar do toque cômico, o que temos é uma realidade. Essa, em minha opinião, deve ser uma leitura obrigatória não só na Inglaterra, mas no mundo. Afinal, os erros devem servir para algo.

Quem é George Orwell.

George Orwell é natural da Índia, nascido em 1903. Jornalista, o escritor inglês é conhecido por sua densa crítica ao sistema socialista, através de suas obras, como, por exemplo, A Revolução dos Bichos, além de 1884 (1949) e Dias na Birmânia (1934). Em 1950, George morreu na Inglaterra, vítima de uma tuberculose.


7 comentários

  1. É um livro maravilhoso para se ler mesmo. Além de apresentar uma metáfora muito bem construída é aclamado pela crítica do mundo todo. Adorei a sinopse e sua resenha muito bem trabalhada ficou perfeita também. Essa é uma das minhas obras favoritas.

    ResponderExcluir
  2. Li esse livro recentemente e foi meu primeiro livro do Orwell! Confesso que conforme lia, via nosso país e todo nosso cenário político! Descobri que tudo que acontece é cíclico, e vivemos nesse ciclo sem perceber, achando que tudo está mudando!

    ResponderExcluir
  3. Realmente é uma excelente leitura e, apesar de ter sido escrita há muitos anos, fala sobre temas atuais, pois aborda comportamentos humanos e sociais. Bela indicação e sua resenha está muito bem detalhada, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Menina, eu adoro fábulas! Confesso que essa era a temática desse clássico! Para falar a verdade,nunca tinha tido a curiosidade de ler essa obra, mas lendo aqui a sinopse e a sua resenha, tive uma visão melhor, percebendo que é o tipo de leitura que gosto muito, sabe? Leituras inteligentes! Me encantam! Assim, te agradeço pela nobre dica! Bjs

    ResponderExcluir
  5. Amei a leitura desse livro, é realmente muito boa a reflexão que ele traz. Gostei muito da resenha, completinha.

    Aceita Café?

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro este livro, ele é atemporal e independe de nacionalidade. Uma fábula fantástica sobre um antigo ditado: quer saber como o outro realmente é, lhe dê o poder.

    ResponderExcluir
  7. Esse livro é um clássico! É interessante como a gente vê essa história (e muitas outras desse autor) sendo recriadas sempre.

    🌗 Relatos de um Garoto de Outro Planeta

    ResponderExcluir