Espelho Espelho Meu! Qual crush escolho eu? - Priscila Debly


Espelho Espelho Meu, que Crush escolho eu? é um daqueles livros que nos enganam pelo tema. É isso mesmo. De cara pensei: uma garota sofrendo com o dilema entre dois amores.... Nem tanto...



Título Original: Espelho Espelho Meu! Qual crush escolho eu? 

Autor: Priscila Debly

Ano: 2018
Editora: Coerência

Páginas: 152
Categoria: Romance adolescente




SINOPSE: Anabelle conta sua história do abandono na infância e encontra na dança o alívio necessário para fazer sua subconsciência falar mais alto enquanto capta o mistério da alma humana. Aos dezoito anos, se sente à flor da pele, perdidamente apaixonada por dois jovens que são capazes de despertar desejo e amor em qualquer moça. Na dúvida entre seus dois crushs, ela não consegue escolher entre o loiro de olhos azuis que conquistou uma frota de admiradoras e o dono do sorriso mais encantador que já viu, um rapaz sedutor e forte.O verão que passou ao lado de um de seus amores ainda desperta arrepios na jovem. Anabelle se lembra de que não foi apenas o clima quente que os fez fervilhar. A lembrança dos dois corpos em ebulição, do suor escorrendo e dos peitos prestes a explodir ainda a faz sentir como se estivesse lendo um livro do qual não quer conhecer o final, parar de ler.Hoje, sua autoestima oscila cada vez mais para baixo. Nessa jornada, ela luta por sua libertação e pelo feminismo. Mas será que terá forças para encarar seu destino? Quem será o crush do espelho?


Quem nunca sofreu por sentir algum tipo de complexo, atire a primeira pedra.

Espelho Espelho Meu, que Crush escolho eu? é um daqueles livros que nos enganam pelo tema. É isso mesmo. De cara pensei: uma garota sofrendo com o dilema entre dois amores.... Nem tanto...
A jovem Anabelle encontrou na dança uma forma de expressar todas as dores que durante anos trancafiou dentro de si.
“Para mim, só há um movimento entre a música e minha vida, a dança. ”
Das lembranças de infância, ela guarda como algo fresco a mãe sendo espancada pelo pai. Os muitos traumas e agressões que sofreu também de seu pai comprometeram duramente sua personalidade. O sentido da palavra amor foi algo que a vida lhe privou. Os pesadelos persistem dia após dia, trazendo à tona o que ela finge não sentir.
“Sou tão mulher e carregada de desejos e emoções. Não sou Drummond, mas levo comigo todo o sentimento do mundo. Não, não sou frágil, por vezes me faço. ” 
Mas nada como os dias para impulsionar Ana a prosseguir... Com o tempo, ela encontrou na dança a melhor forma de calar o passado. Com sua gata Rajada, Anabelle segue para São Paulo. Lá, ela passa a dividir uma kitnet com Sofia, que se torna sua única amiga. A vida dela se assemelha a de uma jovem que luta pelos seus ideais. Sabemos que nada é fácil, a dança é a arte que lhe dá a força necessária de prosseguir e trabalhar; e com a grana, ela paga a faculdade de direito. Assim os dias se seguem, sem amigos, afinal, a jovem sofre por não saber se socializar em meio aos grupos hierarquizados da faculdade. Ela só não diz, mas claramente vive um dia por vez.

"O egoísmo e as ambições humanas, apenas nos afastam de um mundo igualitário"
É em meio à correria do dia a dia que ela se depara com uma multidão confrontando policiais. No meio da manifestação, um rosto em especial lhe chama atenção por já ser conhecido da faculdade de Direito. Phillipe tem um tipo físico que não passa desapercebido, o loiraço de olhos azuis é um cara marcante.  Mesmo em meio a um grupo de jogadores de vôlei, ele sempre se destaca. Phill é aquele tipo de rapaz inalcançável para uma jovem como ela, que mesmo sem perceber, faz parte da turma dos inexistentes. E como lidar com esse sentimento? Já que, perto dele, a segurança que sente torna os dias mais fáceis.
 "Deve-se usar o tempo como um aliado e nunca como um adversário".

Já Daniel é o oposto físico de Phillipe, e é o seu sorriso tentador que chama a atenção de Anabelle. Esse negro envolvente e carismático, estudante de filosofia, compreende Ana como ninguém, e até parece que ambos já foram íntimos em outras vidas, e o fato é que juntos eles se divertem e dão boas risadas.

A dúvida é como se decidir entre essas duas pessoas que lhe faz tão bem, Ana já não sabe a quem deve dar ouvidos, logo que a razão e o coração se confundem. Seja lá qual for sua escolha, ela precisa ter pressa, o tempo não para e saber viver é imprescindível para ser feliz.  

“Viver, significa: não usar aquela máscara da corrupção ou hipocrisia, das quais escolhemos usar no cotidiano. Por onde pairam o que é verdadeiro, as ações e as pequenas mudanças que podem fazer a vida do outro, ou até mesmo a nossa, um pouco melhor, e nos sentimos humanos, nem que seja pelo menos por alguns segundos.”


Seguindo na leitura, vemos que a autora buscou dar profundidade a muitas questões, este não é um típico livro de romance, não mesmo. Obviamente a autora procurou fazer os leitores refletirem. E provavelmente você vai terminar essa leitura surpresa pelas ricas mensagens.

A personagem principal é implexa, e isso torna a leitura bem mais atraente. A dúvida dela entre duas pessoas tão diferentes e, ao mesmo tempo tão especiais, é facilmente compreendida. Você irá se surpreender com Phillipe, esse estereótipo de que todo loiro que se destaca no jogo é o playboyzinho insuportável da faculdade... Nada a ver. No fundo, independente da pele, todos podemos ser incrivelmente especiais.

"Nos tiraram o direito de ser. De sermos nós mesmos e felizes assim. Nos tiraram, também, o direito de não ser. De não sermos vazios, de não sermos mais capazes de caber em nós mesmos"
A autora buscou um cenário bem próximo da realidade atual, afinal estamos vivendo momentos em que grandes manifestações estão buscando as ruas, à procura de serem ouvidas pelos seus governantes. Suas críticas sutilmente infiltradas, aos meus olhos, são um ponto positivo, já que todo jovem leitor tem de parar para buscar os dois lados e não se isentar, nem ao menos se deixar manipular.

“Nossas escolhas moldam nossos destinos (...) Acho que este primeiro destino atende pelo nome de Phillipe, ou será Daniel! ”

O que me surpreendeu foi poder pular alguns anos. Sempre que corremos um pouco no tempo a frente, nos deparamos com o amadurecimento dos personagens, e isso é incrível. Com toda certeza, o leitor vai devorar a leitura. O livro é pequeno e ao mesmo tempo, como já disse, carregado de reflexões, principalmente nas descrições dos acontecimentos. Na história de vida de Anabelle, você terá lições a tirar. É preciso mergulhar fundo nas entrelinhas para compreender as muitas intenções da autora. Muitas, mesmo.

Com um final muito especial, que agrada o leitor, Espelho Espelho meu, que Crush escolho eu? se mescla entre a realidade e a ficção, o que nos deixa em muitos momentos super envolvidos na leitura.

Com uma escrita formal, Priscila procura ser rica em detalhes, e em nenhum momento isso chega a incomodar. O que estranhei foi que a autora pareceu ter pressa em concluir a obra, e algumas cenas não foram tão bem desenvolvidas como as de início do livro. Estranhamente, ela acelerou com o final. Ainda assim, me encantei com o rumo que a história tomou, não imaginei que teria esse fim. Você vai, em muitos momentos, querer decidir por Ana.

Para os que buscam um romance, apenas, pode acontecer de se decepcionar, isso porque a escritora quis mostra o quanto hoje é fraco o lado sentimental. As muitas regras e padrões, para muitos, estão bem próximos do impossível.

Um conselho para os leitores: se preparem para os muitos post-its, a autora carregou o livro do início ao fim.

“Nesta vida de desilusões, se você gosta, é tolo; quem quer o outro, é fraco; e quem ama, é digno de pena. A nossa espontaneidade e a intensidade deram lugar a um manual de boas maneiras do gostar pela metade.”


ISBN: 978-85-5327-100-9
Capa: Décio Gomes
Diagramação: Bruno Lira
Gênero: Literatura Brasileira / Romance adolescente 
Fonte: Agradável, com espaçamentos típicos aos do gênero.


Saiba mais sobre a autora.


Priscila Debly Nascida em Tangará da Serra-MT, 1980, passou sua infância e juventude em Londrina-PR, onde pegou gosto pela leitura quando decorava dramaturgias e atuava na escola Municipal de Teatro. É docente Especialista em Letras PUC/SP e Mestranda em Literatura Brasileira pela Universidade Federal/SP. Suas pesquisas são dedicadas às escritas criativas, ao universo juvenil, ao indígena e às mulheres. Tem um amor imenso pela sua família, filho, animais, natureza. Sempre escreve contos, poemas e crônicas. Este é seu livro de estreia: um romance que promete agradar a maioria dos apaixonados. 

9 comentários

  1. Confesso que faz um tempinho desde que eu costumava ler algo do gênero romance adolescente. Apreciei muito a proposta desse livro. Eu gostaria de ler essa obra, da Priscila Debly. Publicada pela editora Coerência. Gostei bastante de poder conferir esse enredo. E essa trama me deixou repleta de curiosidade! Achei ótimo, e já fiquei querendo descobrir mais a respeito do que acontece na narrativa.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de ler essa obra na sua íntegra, pois gosto quando a obra é realista e pelo que senti, essa parece que vai conversar conosco durante a leitura, além de gostar muito de um livro em que a narrativa vai amadurecendo no decorrer da sua leitura. Anotada a dica.

    ResponderExcluir
  3. Acho legal que ela tenha transformado um "trauma" em paixão pela dança. Confesso que o livro não me atraiu tanto porque não gosto muito desse tipo de leitura, mas esse aspecto até que me despertou um pouco de curiosidade.


    🌗 Relatos de um Garoto de Outro Planeta

    ResponderExcluir
  4. KSKKSKSKK adorei o título do livro hahah vou comprar e fazer a leitura por esse motivo principal hahah

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem? Acredito que qualquer pessoa por mais bem resolvida que seja sempre sentirá insegurança em algum aspecto de sua vida. Seja algum defeito, aparência, ou mesmo sentimentos. Devemos nos conhecer bem, trabalhar o auto conhecimento e focar naquilo que podemos ser ainda melhores. Li algumas críticas sobre o livro e as opiniões ficaram bem divididas. A edição é linda. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Dois pontos importantes citados: a questão da retratação de um cenário mais próximo de nossa realidade e essa surpresa da autora abordar situações que nem imaginávamos.
    Realmente julguei esse livro pela capa, parece ser completamente diferente a história.
    Gostei muito da premissa e a dica já está anotada!

    www.pactoliterario.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oii!
    Bom,de cara dois fatos me chamam a atenção: o primeiro é o nome do livro, que achei um barato! O segundo é o nome da jovem: Ana! Kkkk! Um livro que vc deve ter lido bem rapidinho, hein, amiga!? Sem contar que parece nos enredar a tantos sentimentos, não é verdade?? E que dúvidas para ela resolver! Tadinha! Torcendo pela Anabelle daqui! Belo trabalho, Alê! Bjs

    ResponderExcluir
  8. Tô precisando ler um romance adolescente assim. Gostei da sua resenha e esse título estar bem convidativo. Essa capa é um arraso, bjusss.

    ResponderExcluir
  9. Ess capa é linda. Eu não conhecia o livro mas, fiquei interessada. Não sei se entrará na lista das próximas leituras pois, a fila está um pouquinho grande.
    Mas, fica para leitura em algum momento.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir